Saúde

Introdução

Que o teu “alimento” seja o teu medicamento.

Hipócrates

 

De novo esta máxima do chamado Pai da medicina, só que, colocámos entre aspas.

Porquê? Para lembrar que aqui está também em sentido figurado, refere-se não só aos alimentos para o corpo físico, como para a mente, o corpo de desejos e o corpo vital. Esta é a composição real dos corpos inferiores do ser humano: uma mente que também se subdivide em consciente, aqui devemos saber observar, discernir, desenvolver a concentração, o pensamento puro e positivo; a subconsciente, ligada à imaginação, com enorme poder para o bem mas também para o inferior, se imaginamos doenças, pois adoecemos, há que desenvolver a imaginação criadora, seja nas artes, na beleza, na harmonia, como em altruísmo, criar bons arquétipos, como está unida à memória, pelo que devemos saber esquecer o mal, perdoar do fundo do coração, e a mente supra - consciente, nos ensinamentos académicos, chamada de inconsciente, que é o reservatório de todo o nosso passado, ali está arquivado e tem de ser transmutado; um corpo de desejos composto de matéria de desejos e que envolve o físico como a clara envolve a gema do ovo e que está ligado ao fígado que exige cultivo de boas emoções e sentimentos, desde o altruísmo, o cultivo das artes, da harmonia, do domínio de nós mesmos; e o vital composto por éteres que vitalizam o físico que é o resultado dos nossos hábitos desde os alimentares até aos profissionais.

O medo, como ódio, sentimentos negativos são mais tóxicos que muitos dos alimentos.

Portanto, temos de usar bons “alimentos” para a mente, para os corpos de desejos e vital, senão os problemas agravam-se.

Vamos, nesta área, das mais ricas, inserir algo que possa contribuir para equilibrarmos o nosso passado e a seu tempo usufruirmos da maior riqueza: saúde perfeita.

E não se esqueça que pode fazer tudo com a ajuda de Cristo, Ele nos dá Forças.

 

[ Saúde ]