Obras Editadas


Pintura com Palavras

Tomo III


Capa de Pintura com Palavras, III Tomo
Capa


Contracapa de Pintura com Palavras, III Tomo

Contracapa

Acaba de sair nova obra sob o título acima indicado, publicada pela Chiado Editora, Lisboa.

Voltei ao tema eterno e muito vasto da poesia.

O trabalho, como pode ser analisado no índice, abrange diversos assuntos, todos valiosos, muito atuais.

Junta-se a capa, contracapa, prefácio e índice.

  


Indíce de Pintura com Palavras, III Tomo

Indíce de Pintura com Palavras, III Tomo

Indíce de Pintura com Palavras, III Tomo



Prefácio


Delmar Domingos de Carvalho, mensageiro incansável de boas-novas, esteticamente sensível e possuidor de uma admirável súmula de conhecimentos, surpreende-nos constantemente com a sua escrita, que vai desde as observações sobre arte, aos temas esotéricos, passando pelos mais variados temas do quotidiano. O presente livro é disso exemplo, pois capítulos como «Amor, Beleza, Artes», «Cinco Quadras Esotéricas», «Ecologia» e «Rumo à Cosmocracia» são evidências do seu interesse e atenção ao que nos rodeia. É também a sua grande experiência de décadas de jornalismo e espírito de divulgação, que ao mesmo tempo sempre buscou conhecimentos de alto teor, como a filosofia rosacruz, fonte de sabedoria da qual, ao longo dos tempos, muitos espíritos se abeiraram, tais como Paracelso, Camões, Pessoa, Goethe, Max Heindel e outros mais. Em verso, fala-nos de um princípio oculto enfatizado por todos os mestres «Procurai o bem no mal,/ Um sábio conselho/De quem subiu na vertical/E via para além do espelho!».

Dir-se-ia que a nota dominante desta obra é o amor do seu autor à pátria, Portugal, ao mesmo tempo que nele coexiste o sentimento de fraternidade universal, na esteira de um Agostinho da Silva que enfatizou por várias vezes que ser «português é ser universal», bem patente na sua vida e obra. Assim, por estes bem marcados traços de experiência, mosaicos de vida, surge o presente livro, ou o filho agradecido à terra onde nasceu: «Queres ser bela! Ama,/Escreveu o Garrett romântico./Eleva a tua chama/ Acima do Atlântico.!». Mas o sentimento de irmandade por todos os povos e nações e pelos Símbolos que unem, em última instância, toda a humanidade, vemo-lo, por exemplo, nestes versos sobre a cidade de Edimburgo: «Um deles está ligado à Rosa;/O outro, a Alcachofra, é muito simbólico;/ A Ordem do Trevo é valiosa;/Um trio monozigótico!».

Delmar Domingos de Carvalho, para estas PINTURAS COM PALAVRAS, fá-lo da melhor maneira, utilizando a quadra, forma literária amada e cultivada pela tradição popular, que não escapou também ao interesse dos chamados «poetas cultos», como é o caso de Fernando Pessoa, que escreveu um número bem razoável delas, depois coligidas sob o nome «Quadras ao Gosto Popular». Quatro versos, um número perfeito considerado por Pitágoras, que nos remete imediatamente para os 4 elementos, assunto capital que não escapou também ao interesse de Aristóteles. Possa o leitor, pelas palavras, traduzir o que delas se desprende e imaginar, com amor, onde elas ainda poderão levar, isto é, «mais alto e mais para a frente».

Outubro de 2012
Eduardo Aroso (professor e poeta)



 

[ Obras Editadas ]