Obras Editadas

Notas breves

 

Virá de tempos passados, o amor pela leitura, pelos livros, pelas artes e letras, pela cultura, no seu sentido lato.

Aprendemos latim com a maior das facilidades, porquê? Bem, é do foro íntimo; também temos muito mais capacidade para o alemão do que para o inglês. Porquê? Bem, coisas do passado. E porque temos várias habilidades para algumas artes e ofícios? Porque é que a filosofia nos apaixonou? E é interessante, há alguns bons anos chamaram-nos: o filósofo; como, mais recentemente, pessoas de outros povos entenderam colocar ao lado do nosso nome: filósofo!!! E muito mais havia a dizer, aliás, há poucos segundos, chegou a estar escrito, mas algumas pessoas não ia gostar de ler...seria forte...

Esse saber algo experimentado não tem tido a perfeição que desejamos, não só por amor a esta qualidade a que todos somos chamados, como por amor ao próximo, aos que, com paciência, têm feito o favor de ler os nossos artigos e os livros que já vieram à luz, como ouvir as nossas comunicações orais. Por isso, as nossas desculpas.

A rapidez no escrever, como no falar, não tem permitido essa tão desejada perfeição, muitas das vezes, depois de os artigos ou os livros terem sido publicados, logo vemos erros, detectamos imperfeições na comunicação e assim por diante.

Um dos nossos grandes defeitos: a dispersão. Temos feito de tudo um pouco, temos colaborado em diversas áreas, associações, enfim, quando muito se faz, muito se projecta, a perfeição...fica ausente...

Também, ontem, como hoje, outro defeito: auto - censura!!! Uma imperfeição que já devíamos ter vencido. Há a consciência que não é ainda o momento para falar, escrever tudo o que vai em nossa alma, tudo o que sabemos, tudo o que, quiçá, devemos tornar público, só que, por vezes, não será melhor o silêncio que a palavra dita ou escrita?

Não desejamos honras, nem fama, nem fortuna, apenas servir com amor e humildade.

Em tempos ainda recentes, recusávamos a nossa fotografia para os artigos, etc; hoje, temos uma ideia diferente, ela é um poderoso elemento de identificação.

Por outro lado, devemos gostar de nós mesmos, sem atitudes de narcisismos ou de proselitismos, senão não podemos gostar dos outros, sempre conscientes que Perfeito só o Absoluto.

Por aqui ficamos, agradecendo a Vossa paciência e persistência.

 

Delmar Domingos de Carvalho

 

 

Símbolo do Amor, da Luz e da Liberdade
Símbolo do Amor, da Luz e da Liberdade.

 

[ Obras Editadas ]