Mensagem de um pai

lida

aos microfones da

Rádio Renascença

em 24 de Julho de 1983

às 12 Horas


Todos sentimos, uns mais do que outros, que vivemos numa era de grandes mutações em que, não obstante todo o progresso tecnológico, a dor e a ilusão enchem o interior de muitos seres humanos.

Estamos num período algo carregado de trevas provenientes dos ventos ciclónicos do egoísmo, da trovoada infernal do materialismo e dos nevões intensos do orgulho intelectual, que criaram estruturas, mais ou menos escravizantes, como encheram a Humanidade de medos e de ansiedades, muitos deles mergulhados no interior de miríades de seres humanos, por meio de formas auto-destruidoras.

Tais factos constituem perigosos obstáculos ao verdadeiro progresso de cada ser humano, especialmente dos mais jovens.

Dentro deste ângulo de visão é oportuno lembrar algumas passagens da homilia do Senhor Bispo de Setúbal, na última Vigília Pascal. Em determinado momento D. Manuel da Silva Martins coloca o dedo numa das grandes chagas já citadas, dizendo: Os portugueses de hoje, pelo egoísmo, comprometem o futuro dos seus filhos. A imoralidade campeia...chegámos à moral do salve-se quem puder. Noutro, aponta o caminho da Vitória, afirmando: A Páscoa é enterrar, de vez, os arsenais da morte que ameaçam a Humanidade, para entrar definitivamente numa nova Terra, onde se cante a Paz.

Como pai, creio firmemente, que a madrugada de uma nova Terra, cheia de Paz e de Amor, ensinado e vivido por Cristo há dois mil anos, está cada vez mais próxima, da sua plena concretização, apesar das nuvens negras que pairam sobre nós. Com Ela surgirá a verdadeira libertação redentora.

Cabe a todos, aos pais, de um modo especial, seguir, com perseverança, a trindade positiva da Fé com obras; do Amor, com humildade; da Esperança com vigor, levando-a a todas as pessoas, especialmente aos nossos filhos, aos quais nos compete a grande, mas sublime responsabilidade e missão de educar.

Oxalá que na Hora de nascermos para o santo etéreo monte, a nossa consciência sinta a satisfação do dever cumprido e a alegria de legarmos aos nossos filhos um Mundo verdadeiramente melhor, onde o espírito altruísta tenha vencido o egoísmo, a mente aberta e humilde permita a correcção e o aperfeiçoamento, base da verdadeira sabedoria, e uma profunda visão espiritual da Vida substitua a da ilusão materialista.

Essas serão as melhores heranças que lhes poderemos deixar.


Delmar Domingos de Carvalho

 

[ Comunicações ]