Luís de Camões

e a sua poesia rosacruciana


Luís de Camões


Soneto de Luís de Camões, Jacob
Bilhete – Postal
de Editor desconhecido


Notas inéditas interpretativas

Este soneto de Luís de Camões é um dos que tem sido mais analisado.

Como defensor da liberdade de expressão, de opinião e da criação, há mais de 40 anos, vamos apresentar o nosso ponto de vista sobre este tema ligado ao texto bíblico.

Em primeiro lugar devemos ter presente que a obra camoneana expressa a filosofia rosacruciana, como o amor e a luz da libertação.

Lendo os Capítulos 29 e 30 do Génesis, com mente aberta, vemos diversos dados que serviram para o poeta do amor cantar esta passagem mais ou menos amorosa e essencialmente alegórica.

Jacob, neto de Abraão, ao ir para casa de Labão, desposa as duas filhas e acaba por ter mais duas, as criadas de cada uma delas. Ou seja, Jacob teve 4 esposas.

Em Carta aos Gálatas, Capítulo 4, versículos 21 a 31, S. Paulo ao referir-se a Abraão e não só, esclarece que estas passagens são alegóricas.

Na realidade, a Bíblia está cheia de símbolos, de mitos, de parábolas, de alegorias, não é um livro aberto.

Abraão, em hebraico quer dizer o Pai dos Povos. Por sua vez, Labão, do hebraico, lâbhân, significa, alvo, branco. Quanto a Lia expressa a palavra vaca; enquanto Raquel, hebraico, rãhel, significa ovelha.

Jacob, de acordo com a Escola a que Camões pertenceu, é uma alegoria astronómica. Ele representa o Sol, as 4 esposas, as 4 fases da Lua e os seus 13 filhos, melhor 12, pois, Simeão e Lévi são um par de irmãos, refere-se ao signo Gémeos, são representações das 12 Constelações do Zodíaco.

Surge ainda o número sete que está ligado aos 7 dias da criação, como aos 7 dias da semana, às 7 notas musicais, aos 7 Logos diante do Trono, e assim por diante.

Com estas notas concluímos que Camões, partindo destas passagens, cria uma obra plena de amor e de filosofia esotérica.

O enredo é pois cósmico, onde reina o amor, a luz, o movimento. Outra nota a realçar é a palavra: servir. Ora Cristo afirmou que o maior de Vós é o servidor de todos.

Se o ligarmos ao Cristo Cósmico surge o Sol, fonte de energia e de luz. As esposas referem-se à maternidade, à criação, por isso, surge a alegoria da Vaca, símbolo do alimento original da vida, com ligações mais ou menos mitológicas à Lua.

A cor branca é expressão de Deus que se reflecte nas 3 cores primárias: azul, do Pai; amarelo, do Filho; e Vermelho, Espírito Santo, Javé.

Como mola real o AMOR, em actividade constante por 7 mais 7 e mais 7, amor que é serviço altruísta.

 

[ Artes ]